InícioNotícias“Posso ir?” Conheça a app que lhe diz se há fila para ir às compras

“Posso ir?” Conheça a app que lhe diz se há fila para ir às compras

“Posso ir?” Conheça a app que lhe diz se há fila para ir às compras

A Covid-19 exigiu de todos adaptação e muita criatividade. Nos dias que correm são muitos os relatos de filas para que as pessoas possam comprar bens essenciais, devido às restrições de acesso aos estabelecimentos e por forma a manter o distanciamento social.

 

Há muitos exemplos do que está a ser feito um pouco por todo o país e hoje destacamos a aplicação “Posso ir?”, que nasceu para melhorar a experiência de ir às lojas, no sentido de tentar evitar aglomerados de pessoas. Recorde-se que, segundo as entidades oficiais as pessoas devem manter uma distância social de pelo menos 2 metros.

 

A aplicação de telemóvel "Posso ir?" funciona através da partilha de informação dos utilizadores que dizem qual é o estado das filas em diferentes espaços. Pensada inicialmente para supermercados, é já utilizada para farmácias e outros serviços.

 

Os utilizadores da aplicação são incentivados a assinalar qual o tamanho da fila sempre que se deslocarem a um dado estabelecimento. Ao agregar toda a informação recolhida, a aplicação estima o tamanho da fila e apresenta uma recomendação. Assim, quem pretende deslocar-se a um estabelecimento pode tentar consultar o estado da fila na própria aplicação e, se for caso disso, equacionar um horário alternativo.

 

A aplicação está disponível gratuitamente na App Store e na Play Store e é um dos projetos que surge no âmbito do Tec4Covid19, um movimento que junta engenheiros, cientistas, designers, marketeers, profissionais de saúde, para criar soluções tecnológicas que facilitem os dias de pandemia.

 

O Tech4COVID19 tem várias iniciativas em curso e os principais objetivos são:

  • melhorar o rastreio de redes de contágio, facilitar videochamadas entre médicos e doentes;
  • criar uma rede de suporte a médicos e enfermeiros deslocados ou a pessoas que necessitam de ajuda para ir às compras ou à farmácia;
  • criar um chatbot para dúvidas acerca dos apoios concedidos pelo estado às empresas e pessoas singulares;
  • acelerar a compra de material hospitalar e lançar um crowdfunding para compra desse material;
  • disseminar informação, recrutamento e coordenação de profissionais de saúde ou ainda criar um sistema que permita à população verificar sintomas sem necessidade de ir ao médico.